Favoritos de 2014 (em construção)

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven



O que acontece quando dois adolescentes emocionalmente quebrados se encontram? 


No alto da torre do sino da escola, Theodore Finch encontra Violet, que está prestes a pular. Encoraja pela presença e confiança de Theodore, Violet desiste.
 O garoto mais esquisito da escola salva uma das garotas mais populares dali, mas claro que não é essa a versão que circula pelo lugar. Com todos achando que ela salvou o garoto de cometer suicídio, não será Violet quem irá desmentir o boato; já bastava ser "a garota que perdeu a irmã", não queria mais nenhuma atenção sobre si. 

Para Theodore isso não é problema. Não é a primeira vez que algo assim envolve seu nome e ele sempre foi  chamado de "aberração" por conta de seu jeito e dos personagens que encarna. Sim, Theodore Finch tem suas  fases. Um dia ele pode ser o "Finch fodão", no outro ele pode ser o "Finch nerd", e por aí vai. 
O que os seus colegas não sabem é que ele está destruído. 
Depois de passar vários e vários dias dormindo, praticamente sem comer nem falar, ele acorda. Theodore está acordado há dias e a contagem continua. Agora que despertou, não quer perder mais tempo dormindo, principalmente depois de conhecer Violet. 
A garota consegue bagunçar ainda mais sua mente,  e tudo o que ele quer é passar seu tempo com ela, cuidando para que ela não faça nenhuma besteira.

Mas quem está salvando quem?

Um trabalho de geografia. Uma dupla. Vários lugares incríveis para visitar. Vários dramas envolvidos. 
Theodore e Violet terão que confiar um no outro para conseguir enfrentar, juntos, os fantasmas que os persegue. Porém algumas dores são tão fortes que nem o mais intenso sentimento será capaz de curar. 

"Você não sabe como é. É como se tivesse uma pessoinha raivosa dentro de mim, tentando sair. Está ficando sem espaço porque cresce cada vez mais, e então começa a levantar, entra nos meus pulmões, no meu peito, na minha garganta, e continuo a empurrá-la para baixo. Não quero que saia. Não posso deixar que saia." 

Bipolaridade, depressão, suicídio. Três tópicos pesados introduzidos em uma história regada à momentos fofos, diálogos inteligentes e paixão entre adolescentes. Três tópicos que podem, ou não, ter dado certo nesse YA. 

Para quem tem depressão ou já passou por fases de extrema tristeza e/ou intenso vazio, esse livro pode significar muito, mas também pode trazer sensações não muito boas. 
Acho que tudo depende muito do seu momento e do que você está disposto a absorver da leitura. São poucos os momentos felizes, mas não foi isso o que realmente me incomodou. 
O que me incomodou foi a falta de amadurecimento dos personagens. Não é como se a dor deles ou o sofrimento diminuísse. O que senti foi que a cada capítulo o enredo fica mais carregado; e posso dizer com certeza que o final não é dos mais agradáveis. Foi aí que parei para refletir. 

A autora quis passar uma mensagem com o livro, e ela passa, mas não desenvolve isso como poderia. E para os que já passaram ou estão passando pelos mesmos problemas dos protagonistas, isso é notável. Fora que a falta de lados positivos, de momentos felizes e de um final ameno não ajudam muito. O romance é sim muito lindo e os dois juntos são incríveis; mas para o que a autora quis transmitir, eu esperava mais. Isso torna tudo um pouco mais "real", até porque nem sempre temos finais felizes; mas se torna "cruel" para aqueles que pegam o livro pensando que ali acharão um final feliz, o final que acham que não podem ter, e sinceramente isso não ajuda muito, não é?

Os personagens não passam por mudanças tão notáveis no decorrer da narrativa, mas foram sim bem construídos, acho até que foram construídos muito como um "casal", já que é quando estão juntos que ficam mais interessantes.

Uma coisa muito legal é que não rola o "amor à primeira vista" entre eles, e sim uma construção mais lenta e verossímil de uma relação amorosa.

Sobre os lugares que eles visitam: são realmente incríveis, cada um à sua maneira. 
E esses lugares ajudam na "recuperação" deles? Não. Ajudam no romance, mas não alivia quase nada o transtorno interno deles. 

A autora se perde um pouco, mas Por Lugares Incríveis é muito bom e indico a todos que curtem o gênero; mas apenas se suas expectativas não estiverem tão altas. 
É emocionante? Dependendo do ponto de vista, sim. Eu chorei? Não. Mas fiquei destruída por um tempo. Na verdade fiquei sem reação por um tempo, e só depois de alguns dias refletindo consegui escrever esse post. 

Não quis entregar muito da estória, já que é sempre bom ter pequenas surpresas durante a leitura, mas espero que tenham gostado do post :)

4 comentários :

  1. Eles dois ficam juntos? lol. Eu sofro de uma depressãozinha, mas gosto de me torturar procurando mais coisas do assunto. Eu, de fato, me interessei pelo livro. Leio muitos livros do Romantismo (movimento literário) e o suicídio está sempre presente. Acho que daria conta de ler Por Lugares Incríveis. Ah, você é linda <3 hahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim <3
      Que bom que se interessou pela leitura, Luís. Gosto muito do Romantismo, também.
      Que amoooor <3 Obrigada! !
      Beijos

      Excluir
  2. Olá Gabrielly,
    Fiz a resenha desse livro no blog do qual sou colaboradora, mas ainda não foi publicado, pude perceber o quanto enxergamos a história de um jeito diferente e isso é muito bom. Por Lugares Incríveis mexeu muito comigo, de um jeito que eu mal pude descrever na resenha. Eu amei demais, mesmo com todo o sofrimento, acho que a Violet conseguiu amadurecer e mudar algumas coisas, isso leva tempo. O Theodore é o retrato da nota da autora no final e fiquei extasiada e apavorada pelo modo como nos parecemos. Simplesmente apaixonada pelos dois rss
    Depressão é algo realmente delicado, nem sempre da pra segurar a onda... Achei sua resenha muito bem feita, e espero que mais pessoas se aventurem nesse livro *_*

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei muito do livro, mas algumas coisas realmente me incomodaram :/
      Sim, li a nota da autora... Mas ainda assim ela não me convenceu com Por Lugares Incríveis como algo além do gênero YA ou para passar uma mensagem positiva :/
      Muito obrigada, Thaise <3 Adorei a visita!

      Excluir

Obrigada por comentar!