Favoritos de 2014 (em construção)

terça-feira, 27 de junho de 2017

Top 5 | Livros LGBTQ+


Oi gente, como vocês estão? Sou a Duda e esse é meu primeiro TOP 5 aqui no blog, então se eu não for muito boa com as palavras, me perdoem, é a falta de prática com esse tipo de postagem (hahaha).

Hoje irei falar de um assunto do qual eu adoro e acho importantíssimo de ser abordado: o universo LGBTQ+ na literatura. E não tem data melhor para falar sobre o tema do que esta, 28 de Junho, pois é o dia em que se é comemorado o Dia Internacional Do Orgulho LGBT.

Quem acompanha minhas resenhas já deve ter percebido que li alguns livros da temática, e alguns desses acabaram se tornando meus favoritos; irei lista-los para vocês e espero que gostem. E clicando nas imagens vocês serão redirecionados para a resenha do livro ou a sua página no skoob. Vamos lá então?

Cenas Londrinas, de Virginia Woolf

Título original: The London Scene
Autora: Virginia Woolf
Editora: José Olympio
Ano: 2017
Páginas 96
Skoob
*Exemplar recebido em parceria com a editora.
Sinopse: Um retrato da década de 1930 em Londres — e uma aula sobre como explorar a consciência da modernidade. Cenas londrinas compila seis crônicas nas quais Virginia Woolf confirma sua paixão por sua cidade natal. Virginia faz um retrato da década de 1930 ao observar o encanto da moderna Londres. Ao se deslocar para a perspectiva tanto de grandes homens quanto de cidadãos comuns, a autora oferece uma visão original, clara e atraente do movimento orgânico das ruas. Inicialmente publicado com cinco narrativas – produzidas entre 1931 e 1932 –, a este volume se soma a crônica descoberta na biblioteca da Universidade de Sussex, em 2005. É como se Virginia estivesse conduzindo o leitor por um passeio, começa nas docas de Londres, depois migra para o tumultuado comércio ambulante da Oxford Street, prossegue com um curioso giro por endereços de grandes homens – em busca de escritores ilustres. Há a contemplação das catedrais de St. Paul e de Westminster, e a visita à casa de Keats, em Hampstead. Por fim, o olhar se fixa na figura típica da mulher de classe média inglesa, para Ivo Barroso, “a visão de um microcosmo representativo de toda uma nacionalidade”.
Virginia Woolf foi uma grande escritora e editora britânica, figurando entre os maiores nomes do modernismo. Nascida em 1882, Virginia teve uma vida de altos e baixos, pois sofria de transtorno bipolar. Entre suas obras mais conhecidas estão Mrs. Dalloway, Ao Farol e Orlando. Sua força literária é impressionante e seus livros de ficção são aclamados pela crítica, mas a Virginia ensaísta, cronista e contista ainda é desconhecida por muitos.

Cenas Londrinas é um livro que reúne textos da autora escritos de 1931 a 1932, e que não são bem contos, nem crônicas, e talvez ensaio seja o mais perto de um gênero que irei chegar para descrever tais textos.

Esses ensaios descrevem uma Londres com diferentes faces. No primeiro texto, intitulado "As Docas de Londres", somos guiados a uma cena onde os navios mercantes sobem o Tâmisa e ancoram no porto da cidade, trazendo produtos de diversas partes do mundo. Um lugar lamacento, com armazéns e estabelecimentos de aparência decrépita. Aqui vemos o sujo de Londres, com lixo nas águas do rio, e como as pessoas parecem indiferentes com aquela paisagem enquanto rumam para outro lugar.

domingo, 25 de junho de 2017

Lançamento | Quando Escolheram Por Mim, de Lauren Miller

Quando Escolheram Por Mim é o mais novo lançamento do editora Pavana; um thriller com pegada utópica que se passa em 2032 e tem uma premissa incrível! Além de uma capa muito bonita. Lauren Miller é autora do livro Paralela, também publicado pela Pavana em 2014. Esse será seu segundo livro publicado no Brasil e promete encantar os fãs de um bom jovem adulto com mistério e tecnologia. Logo teremos resenha do título aqui no blog! Enquanto isso, que tal dar uma olhada na sinopse?


Sinopse:
E se existisse um aplicativo capaz de dizer o que lhe faria feliz? Qual roupa vestir. Com quem sair. Em qual escola estudar. Um aplicativo capaz de tomar todas as decisões que surgissem? E se você nunca precisasse falhar? Ou fazer a escolha errada? Essa é a realidade na qual vive Rory Vaughn, uma jovem de 16 anos com um futuro promissor: ela acabou de ser aceita em uma exigente escola preparatória.

Mas tudo está prestes a mudar, pois alguma coisa parece estranha por trás das aparências da escola de elite. É quando Rory começa a se envolver com North, um charmoso garoto morador das redondezas que insiste em não obedecer ao Lux. Logo, Rory passa a não seguir mais os conselhos do aplicativo e a ouvir a temida voz interior que foi ensinada a ignorar – uma escolha que capaz de mudar a maneira como enxerga toda a realidade.

Elogios à obra:

Lauren Miller constrói um thriller de enredo intrincado e inteligente capaz de agradar a muitos tipos de leitores: daqueles que buscam uma história incapaz de largar até os que procuram um novo alimento para o pensamento.” _ Publishers Weekly

Envolvente e instigante, Quando escolheram por mim conversa com uma grande gama de leitores com sua mistura de ação, mistério e romance, além de provocar excelentes discussões.” _ School Library Journal

Personagens que parecem reais e uma intrigante tecnologia dão vida a este conto moral.”  _ Kirkus Reviews

terça-feira, 20 de junho de 2017

As Primeiras Quinze Vidas de Harry August, de Claire North

Autora: Claire North
Titulo Original: The First Fifteen Lives of Harry August
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2017
Páginas: 448
Skoob
*Exemplar cedido em parceria com a editora
Sinopse: Certas histórias não podem ser contadas em uma única vida. Harry está no leito de morte. Outra vez. Não importa o que faça ou que decisões tome: toda vez que ele morre, volta para onde começou; uma criança com a memória de todo o conhecimento de uma vida vivida diversas vezes. Nada nunca muda... até agora. Ele está perto da décima primeira morte quando uma garotinha de 7 anos se aproxima da cama: “Quase perdi você, doutor August. Eu preciso enviar uma mensagem de volta no tempo. O mundo está acabando, como sempre. Mas o fim está chegando cada vez mais rápido. Então, agora é com você.” Este livro conta a história do que Harry faz em seguida, do que fez antes, e do que faz para tentar salvar um passado inalterável e mudar um futuro inaceitável.
Neste livro vamos conhecer Harry August, fruto de um estupro sofrido por sua mãe que era empregada na casa de uma das famílias mais ricas e importantes de sua região, que acaba morrendo em decorrência do parto realizado no banheiro de uma estação de trem.

Como é filho ilegítimo, já que seu pai já era casado na época, sua família paterna oferece uma pensão para que o casal que ajudou em seu parto o crie para que a sociedade não saiba de seu verdadeiro parentesco; e assim ele vive por muitos anos até que depois de um surto ele é internado em uma clínica psiquiátrica e logo depois acaba se matando.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Prometo Perder, de Pedro Chagas Freitas

Título: Prometo Perder
Autor: Pedro Chagas Freitas
Editora: Verus
Ano: 2017
Páginas: 308
Skoob
*Exemplar recebido em parceria com a editora.
Sinopse: A mais recente incursão do escritor português, que é sucesso na internet, por um universo poético e cheio de sensações, do qual leitor algum sairá o mesmo. Em uma viagem intimista e desconcertante, Pedro Chagas Freitas caminha, em Prometo perder, até o interior da emoção: da saudade ao desejo, da rebeldia à submissão, da dor ao amor, nada ficará por tocar. Permita-se sentir. “Prometo perder. Prometo por vezes fraquejar, por vezes cair, por vezes ser incapaz de ganhar. Nem sempre conseguirei superar, nem sempre conseguirei ultrapassar. Nem sempre poderei ser capaz de ir tão longe como você me pede, de te dar exatamente o que você merecia que eu te desse. O que desesperadamente te quero dar. Nem sempre conseguirei sorrir, também. “Prometo perder”. Prometo ainda me manter vivo depois de cada derrota, resistir ao peso insustentável de cada impossibilidade. Há de haver momentos em que sem querer te magoarei, momentos em que sem querer tocarei no lado errado da ferida. Mas o que nunca vai acontecer é desistir só porque perdi, parar só porque é mais fácil, ceder só porque dói construir. “Prometo perder”. Porque só quem ama corre o risco de perder; os outros correm apenas o risco de continuar perdidos. “Prometo perder”. Porque só quem nunca amou nunca perdeu.”
Olá coleguinhas, hoje eu quero dividir com vocês a inquietante experiência que é ler Pedro Chagas Freitas. Para início de conversa deixo-os avisados de que essa não é uma leitura fácil e nem rápida, mas calma que isso não é ruim. A leitura pode não ser das mais fluidas, mas compensa gloriosamente em sua profundidade.

Ano passado ganhei Prometo Falhar de Gaby e lembro que a cada quote maravilhosa (e olha que são muitas), eu mandava uma mensagem pra ela contando, como diz a expressão: é um tiro atrás do outro. Com Prometo Perder não foi muito diferente, ao final da leitura o livro está com tantas flags que eu fiquei bem pobre de marcadores.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Lançamento | Apenas Uma Garota, de Meredith Russo | Editora Intrínseca

Apenas Uma Garota é um dos lançamentos mais aguardados da editora Intrínseca esse mês. Escrito por Meredith Russo, o livro tem como protagonista uma garota transexual em transição passando pelos ritos de passagem da adolescência à vida adulta e tendo que lidar com uma mudança de cidade, e tudo o que isso acarreta. Ah, a modelo na capa é uma mulher trans <3

Resultado de imagem

Sinopse: 
Prestes a entrar na vida adulta, Amanda Hardy acabou de mudar de cidade, mas a verdadeira mudança de sua vida vai ser encarar algo muito mais importante: a afirmação de sua identidade. Tudo que ela mais quer é viver como qualquer outra garota. E, embora acredite firmemente que toda mudança traz a promessa de um recomeço, ainda não se sente livre para criar laços afetivos. Até que ela conhece Grant, um garoto diferente de todos os outros.

Ela não consegue evitar: aos poucos, vai permitindo que Grant entre em sua vida. Quanto mais eles convivem, mais ela se sente impelida a se abrir e revelar seu passado, mas ao mesmo tempo tem muito medo do que pode acontecer se ele souber toda a verdade. Porque o segredo que Amanda esconde é que ela era um menino.

Em seu romance de estreia, Meredith Russo retrata o processo de transição de uma adolescente transexual, parcialmente inspirada em suas próprias experiências. Enquanto traz à tona questões difíceis como dilemas existenciais, preconceito e bullying, o livro também fala de forma esperançosa e leve sobre amizade, descobertas e autoaceitação.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Lançamento | Pape Satàn Aleppe - Crônicas de uma Sociedade Líquida, de Umberto Eco | Editora Record

Olá, leitores! Quem aqui já ouviu falar do escritor italiano Umberto Eco? Ele é o autor do aclamado O Nome da Rosa, um livro de mistério que encantou milhões de leitores ao redor do mundo, e muitos outros títulos de sucesso, como O Cemitério de Praga e História da Beleza. Agora em 2017 a editora Record irá publicar o último livro escrito por Eco, que faleceu em fevereiro do ano passado, cujo título por si só já é um mistério: Pape Satàn Aleppe; é um livro inédito de ensaios sobre assuntos da sociedade moderna atual. No site do Grupo Editorial Record se encontra um ótimo texto sobre o conteúdo do livro e seu autor, é só clicar AQUI. O livro chegará às livrarias ainda neste mês de Junho!

9788501109095.
Crises ideológicas, econômicas e políticas, individualismo desenfreado e uma relação simbiótica com nossos celulares são alguns dos elementos que compõem o ambiente em que vivemos: o de uma sociedade líquida, onde nada parece fazer sentido ou ter sequer algum significado. Neste que é seu derradeiro livro, a fim de tornar mais fácil a compreensão de nossa sociedade desnorteada, Umberto Eco nos presenteia com uma coleção de ensaios sobre tudo: de Harry Potter ao 11 de Setembro, passando pelo Twitter, os templários e questões de caligrafia. “Pape Satàn, pape Satàn aleppe”, disse Plutão no Inferno de Dante, com espanto, tristeza, ameaça ou talvez ironia. O significado do verso, ainda um mistério para nós, líquido demais, é perfeito, portanto, para caracterizar a confusão de nosso tempo e intitular esta obra.